ADVERTÊNCIA SOLENE

O tóino deixou de acreditar na liberdade, pelo menos na que deu aos seus visitantes em poderem postar livremente. Houve quem se aproveitasse para todo o tipo de negócios, legais e menos legais. A partir de agora o regabofe acabou, só quem publica sou eu e até os comentários passam a ser sujeitos a censura à posteriori

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

conversas com as aves em Olhão


"Há muitas aves na Ria.
Devemos proteger as aves por causa da avifauna que é muito importante.
Já falei com os sr.s taxistas de Olhão para passarem a dar a comida aos pombos ao pé da Ria para não fazerem có có na Avenida.
Pedi ao sr. presidente da junta de Moncarapacho, o meu amigo Marcelino para enxotar para a Ria os pardais que lhe andam a picar a fruta.
Eu e a minha amiga Valentina gostamos muito das aves e vamos para o meu hotel  na marina ver as aves.
As pessoas deviam olhar para o céu para ver as aves a voar.
Enquanto olham para o céu a ver as aves não olham para baixo, para a água.
E não veem os coliformes fecais em pinhoca navegarem á tona de água.
Eu e a Valentina conversamos muito das aves.
Em Março voltamos novamente ao Hotel para  conversarmos das aves, e desta vez vamos trazer a Pássara."

11 comentários:

  1. moss ó Leal fecha a boca que só saem asneiras

    ResponderEliminar
  2. a célinha já te deu cabo da lingua tão bonita que tinhas

    ResponderEliminar
  3. mom a penca do leal está cada vez maior das mentiras que diz e vai alagrgando por chafurdar tanto na merda que faz na ria formosa (há quem diga que é por chafuradar noutros sitios),como é o caso do aterro e dos esgotos prá ria.

    ResponderEliminar
  4. o leal gosta é da PASSARINHA da dita cuja.

    ResponderEliminar
  5. COM UM NARIZ DAqueles é o dois em um.
    não admira que a valentona goste tanto dele. a celinha que se ponha coca

    ResponderEliminar
  6. Deve ser a lingua mais cobiçada de Olhão

    ResponderEliminar
  7. Gosta muito das aves mas encerrou os patinhos
    que agora virou lixeira,a estátua Patrão Joaquim está sem letras há quase um ano,quem passa por lá não sabe de quem se trata.desconfio que quer pôr lá o nome dele na estátua do Patrão Joaquim Lopes.

    ResponderEliminar
  8. Tem aspecto de estar desidratado.

    ResponderEliminar
  9. cara de maluco é que ele tem. mas é só a cara pois nos ultimos anos encheu-se lá prós lados da quinta da marinha. a lingua já está romba a arma secreta dele é o nariz

    ResponderEliminar
  10. miga leva-me à boia, já dizia o leal à ferrera quando esta lhe deu com a passarinha no nariz.

    ResponderEliminar
  11. Caros amigos e amigas,

    Como sabem, o filme José e Pilar estreou na passada quinta feira. A afluência em sala tem sido reduzida, fenómeno já habitual no cinema que não seja “made in hollywood”, pelo que, se gostaram do filme, pedimo-vos que passem palavra e que o divulguem; pois a primeira semana é crucial para que os exibidores o mantenham em sala.
    O filme está em exibição em Lisboa, Porto, Cascais, Almada, Aveiro, Braga e Coimbra (nestas 3 últimas cidades é onde tem tido piores resultados, apesar de todas a críticas favoráveis).
    O filme vai estrear amanha dia 24 em Olhão.
    No Brasil já foi visto por várias dezenas de milhar de pessoas e no próximo Sábado, dia 27 de Novembro, “José e Pilar” será filme de abertura do festival de Ronda (Espanha), onde será apresentado pelo Juiz Baltazar Garzón.

    Um grande abraço a todos e obrigado por tudo,
    Miguel

    trailer:
    http://www.youtube.com/watch?v=LMFbp_t7h_A

    site do filme: http://www.joseepilar.com

    sinopse:

    A Viagem do Elefante, o livro em que Saramago narra as aventuras e desventuras de um paquiderme transportado desde a corte de D. João III à do austríaco Arquiduque Maximiliano, é o ponto de partida para José e Pilar, filme de Miguel Gonçalves Mendes que retrata a relação entre José Saramago e Pilar del Río.

    Mostra do dia-a-dia do casal em Lanzarote e Lisboa, na sua casa e em viagens de trabalho por todo o mundo, José e Pilar é um retrato surpreendente de um autor durante o seu processo de criação e da relação de um casal empenhado em mudar o mundo — ou, pelo menos, em torná-lo melhor.

    José e Pilar revela um Saramago desconhecido, desfaz ideias feitas e prova que génio e simplicidade são compatíveis. José e Pilar é um olhar sobre a vida de um dos grandes criadores do século XX e a demonstração de que, como diz Saramago, “tudo pode ser contado de outra maneira”.

    ResponderEliminar